terça-feira, 24 de maio de 2011

Integrar a cozinha à sala? Será?

A cozinha da sua casa é um ambiente social ou de serviço?
Estou desenvolvendo mais um projeto de reforma para um apartamento onde os clientes não tem tanta certeza se devem ou não decidir pela cozinha integrada à área social. É realmente um conflito pertinente visto que muitas vezes a cozinha pode ser o ambiente mais dinâmico e movimentado de uma casa. O desejo de receber amigos desde a cozinha deve ser confrontado com o dia a dia da família e como esta disposição interfere na manutenção da casa.
Depende muito do estilo de vida e do tipo de moradia. Numa casa enorme onde a família tenha muitos empregados e a cozinha realmente for um ambiente de serviço, pode-se até concluir que não tem sentido nenhum integrar estes espaços. Mas para a maioria das famílias jovens que mora em apartamentos ou casas pequenas, pode ser uma forma interessante de vivenciar um outro conceito de morar.
A idéia original de abrigo desde sempre teve o fogo como centro e todas as outras atividades aconteciam no entorno. Muito bacana reunir amigos em torno de uma fogueira, como uma celebração à vida e ao momento feliz. O conceito de casa em torno da cozinha segue um pouco esse sentido.

Nesta casa, apenas o piso de granito delimita o espaço da cozinha.
A mesa de madeira é móvel e acompanha o estilo do piso de tacão de ipê
do resto da casa. Projeto de Camilo Gazzinelli e Álvaro Drummond.
Por menos que se tenha pretendido dar à cozinha status de ambiente social ela é o coração da casa da maioria das famílias, pois é onde acontece o sagrado preparo dos alimentos e muitas vezes onde se compartilha as refeições entre as pessoas da família no dia a dia. Como dizer que seja um ambiente de serviço, termo normalmente utilizado na setorização dos ambientes em projetos de arquitetura?

A primeira coisa que as pessoas pensam é que a cozinha integrada tem que estar sempre como foto de revista para fazer parte do restante da casa. Claro que bagunça não é interessante em lugar nenhum, mas eu particularmente penso que casa é para ser usada e não existe como usar, ficar à vontade, numa foto de revista. Desde que o projeto seja bem elaborado e o resultado for estética e funcionalmente bem resolvido, não há nada feio em visualizar um ambiente sendo utilizado, o que é bem diferente de um ambiente bagunçado.

Imagine-se recebendo amigos no seu apartamento ou casa. A idéia de você servir os petiscos, preparar um jantar e buscar bebidas saindo de uma cozinha fechada é totalmente diferente desde o conceito. A visita sentada na sala e você servindo, mesmo que conte com ajuda profissional. Na cozinha integrada você recebe a visita - abre o espaço da sua casa para compartilhar com seus amigos. Diferente de servir, mesmo que você seja do tipo que não goste que seus amigos acessem a sua geladeira. Só o fato de você estar no mesmo espaço já demonstra outra relação com eles.
Uma preocupação recorrente, obviamente, é a disseminação dos odores da cozinha para o resto da casa. Na maioria das vezes este aspecto pode ser solucionado facilmente com a instalação de uma coifa eficiente no projeto.


Outra coisa importante que deve ser levada em conta é o tipo de alimentação da família. Há os que têm o hábito de preparar frituras com freqüência, muitas vezes diária. Para estas famílias eu não indico a integração dos ambientes, mesmo contando com equipamentos eficientes de exaustão.  Sou mais inclinada a indicar hábitos mais saudáveis de alimentação!
Há quem tenha se arrependido de integrar a cozinha? Claro que sim. Depois de modificada não temos mais a possibilidade de “interditar” a cozinha fechando a porta e sentar na sala arrumadinha para relaxar... Mesmo se tiver uma empregada o tempo todo disponível pode não ser agradável estar “no meio” da arrumação no momento relax na sala.
Mais do que adotar uma tendência e longe dos modismos, o questionamento necessário para se tomar a atitude acertada deve passar exatamente pela análise do que é mais importante para você e sua família. Isolada ou integrada, sua casa deve ter o seu jeito. Veja se você dá conta de modificar hábitos simples em troca de um conceito mais aberto de vivenciar o seu espaço. A sua casa deve refletir isso.
Neste caso, ou se exige menos de si próprios entendendo que o uso sempre gera certa bagunça (o que cá entre nós também pode ser controlado) e que não é o fim do mundo sentar na sala depois de um dia cansativo sem ficar olhando o copo que está sobre a pia, ou se abre mão do prazer de ter os ambientes integrados e mantemos o isolamento do restante da casa mesmo que seja simplesmente para pegar um copo de água “lá no outro setor”. 


Por fim, tudo isso tem que ser analisado de acordo com o tipo de moradia, as dimensões dos espaços, a maneira como os moradores se apropriam deles, o estilo de vida e os hábitos alimentares de cada família. E buscar a melhor solução para que você seja realmente feliz na sua casa!

Créditos das imagens:
- Disponível em <http://www.abril.com.br/noticia/estilo/no_296512.shtml>;
- Disponível em <http://www.cozinhasmodernas.net/cozinhas-americanas-na-moda/>;
- Disponível em <http://gazetaonline.globo.com/_conteudo/2011/04/classificadoes/imoveis/813612-menos-paredes-garante-mais-espaco-nas-residencias.html>

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Hide Park One (Richard Rogers) - Sustentabilidade e integração com o entorno

O projeto do arquiteto Richard Rogers (do escritório Rogers Stirk Harbour + Partners), nome de destaque da arquitetura high-tech européia, procurou dotar todas as unidades de farta iluminação natural, vistas panorâmicas para o entorno, privacidade, segurança, e ainda possibilitar o uso eficiente de energia e de água.


O conjunto ocupa uma superfície de 65 mil m² e é formado por quatro edifícios de alturas variadas, com um total de 86 apartamentos. Na meticulosa implantação, os quatro blocos foram posicionados de oeste a leste de maneira escalonada.

A forma das lajes dos pavimentos –-larga  no centro e estreita  nas extremidades norte e sul-  foi pensada para propiciar mais luz ao interior das unidades e panorâmicas privilegiadas para o Hyde Park e para a cidade. Visto tanto do parque quanto da Knightsbridge, a parte central mais larga da laje não é notada, pois o desenho foi desenvolvido de maneira a dar a ilusão de que a planta é retangular. O desenho da laje tem ainda a vantagem de maximizar o perímetro, permitindo que os ambientes mais importantes ocupem os espaços ao longo das extremidades com as vistas panorâmicas. Os ambientes secundários ficam localizados na direção do miolo dos blocos, e oferecem vistas controladas para norte e sul.
Cada um dos pavimentos-tipo tem três apartamentos de plantas com diferentes dimensões: com um, três e quatro dormitórios. O nível superior de cada um dos prédios é ocupado por coberturas dúplex, áticos de altura dupla, concebidos e expressos como "tetos habitados". Com uma área de 2.780 m², cada uma dessas quatro coberturas tem seis dormitórios.
  
O térreo dos quatro blocos é interligado e aberto para a rua Knightsbridge, onde um hall de pé-direito duplo abriga três lojas de marcas famosas (o espaço já está ocupado pela McLaren Automotive e Rolex), recepção dos quatro edifícios, escritórios, e áreas de lazer com piscina, salas de cinema, sauna a vapor, fitness, adega, quadra de squash, simulador de golfe e sala de jogos virtuais.








SEGURANÇA E DIÁLOGO COM O ENTORNO
Na fachada, o arquiteto procurou reverenciar os edifícios do entorno usando no alto o cinza neutro, no meio, o cobre patinado vermelho/marrom, refletindo a coloração predominante da rua Knightsbridge e, na base, cor neutra, a exemplo dos blocos de pedra dos edifícios do entorno. O aço utilizado é de cor cinza escuro, mesmo tom dos usados nos trabalhos em ferro das fachadas dos prédios adjacentes.


Os elementos da fachada, além de levar sombra aos interiores aumentam a segurança, direcionam as vistas a partir do edifício, e propiciam privacidade aos moradores. O desenho desenvolvido especialmente para as fachadas faz com que elas pareçam mais transparentes quando vistas da diagonal, e mais sólidas quando vistas do Hyde Park ou da Knightsbridge.
 












O conjunto é interligado ao metrô e possui estacionamentos para motos e bicicletas.

Por causa do empreendimento, o acesso à estação de metrô
Knightsbridge foi deslocada, e para a sua execução foram
utilizados os mesmos materiais do conjunto residencial:
aço, vidro e concreto (abaixo e à direita, na foto).

Uma série de iniciativas de sustentabilidade foi desenvolvida pelo projeto e incorporada ao novo conjunto. Além da correta implantação e desenvolvimentos das fachadas, o projeto pôs em prática uma estratégia geotérmica que utiliza a água do aquífero sob o edifício, a 150 m de profundidade. A água é retirada e armazenada no verão, e no inverno, uma bomba especial a aquece, e também ao próprio edifício. Ao longo do tempo, isso reduz o consumo de energia primária do edifício em 10%, e também a emissão de gases.

Vista do Hide Park


Para saber mais:
Fonte (texto e imagens): http://casaeimoveis.uol.com.br/projetos/arquitetura/one-hyde-park-o-edificio-com-os-apartamentos-mais-caros-do-mundo.jhtm

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Biopiscinas, ou Piscinas Biológicas

São piscinas cuja água é tratada sem adição de produtos químicos. A manutenção da qualidade da água é feito constantemente por meio da instalação pedras e de plantas aquáticas adequadas para este fim. O meio ambiente é beneficiado pela presença de água limpa sem presença de poluentes químicos e as pessoas tem a garantia de nadar em um ambiente saudável, além de não precisarem mais pensar na manutenção periódica das piscinas.
A área escavada é revestida com uma lona impermeável depois preenchida com água limpa. Também pode necessitar de bomba, mas com uma função um pouco diferente das piscinas convencionais: fazer circular a água entre a área de natação e área de tratamento, garantindo sempre a boa qualidade da água. O fundo pode ser aspirado de tempos em tempos para remoção das folhas para manter o bom aspecto da água na área de natação.
O projeto deve prever a setorização dos espaços para natação, que pode ser revestido com lonas coloridas provocando efeitos visuais distintos e a área de tratamento onde são instaladas as pedras e plantas que irão filtrar a água e remover as substâncias nocivas a fim de assegurar as características de balneabilidade da água. Tecnicamente, a área de nado deve apresentar proporção adequada à área de oxigenação para garantir o equilíbrio do sistema. Mas mesmo assim é possível construir biopiscinas de tamanho reduzido que também produzam o equilíbrio ambiental necessário.
As possibilidades formais são muito menos limitadas do que nas piscinas convencionais, pois podem ter aspecto rústico como um lago inserido em um contexto campestre ou podem ser mais elaboradas, com características de piscina, compondo arquitetonicamente com o restante da construção.
Percebi que estão sendo bastante difundidas na Europa, mas uma questão sobre a viabilidade por aqui me fez pesquisar melhor o assunto: os mosquitos! Estamos falando de água limpa e um dos nossos maiores problemas é a Dengue. Segundo o site da Bio Piscinas, empresa especializada em tratamento de água de Portugal, não há risco de proliferação deste ou daquele mosquito porque o sistema aumenta a biodiversidade, atraindo também insetos e animais predadores dos mosquitos, produzindo assim um ambiente equilibrado.
Esse assunto ainda vai render por aqui!

Quarteira
Piscina biológica junto da casa numa propriedade rural
no Algarve, em Portugal, com acabamentos e escada
em pedra calcária. Acesso por dois decks de madeira.
Construída em 2009.
Fonte: http://www.biopiscinas.pt/galeria


Silves
Piscina biológica construída em 2008 com áreas de estar associadas.
Acabamentos em granito da Serra de Monchique.
Acesso em escada central de pedra natural e pedra de salto.
Fonte: http://www.biopiscinas.pt/galeria


Monchique
Esta piscina biológica construída em 2000
é combinada com uma Sauna (ao fundo).
Fonte: http://www.biopiscinas.pt/galeria
   

Foz de Arelho

A casa contemporânea exigiu uma piscina biológica de
aspecto moderno.
Foi necessário construir a forma em concreto
para implantá-la no terreno com declive acentuado.
Fonte: http://www.biopiscinas.pt/galeria




Litoral Alentejano

Piscina biológica de 160 m2 inserida num quintal.
A borda elevada da parte de banho serve como área de estar.
Construção de 2010.
Fonte: http://www.biopiscinas.pt/galeria


Costa de Caparica
Piscina Biológica com cerca de 150 m2
área de banho no centro, da Bio Piscinas.
Fonte: http://www.biopiscinas.pt/galeria



domingo, 10 de abril de 2011

Interiores
A identidade de cada um

Sem querer entrar no mérito do que é ou do que não é o belo, não há como apreciar nada sem que haja identificação. Cada pessoa traz suas próprias referências, desenhadas a partir das vivências pessoais ao longo da sua história. Como profissionais, nosso papel enquanto conhecedores de grande parte de possibilidades, é principalmente o de harmonizar estas possibilidades com a realidade e os desejos dos clientes. Antes de produzir um espaço padronizado como "belo", no enfoque estético (não menos importante!), é a harmonização com a realidade de cada um que traz a identificação pessoal com o espaço construído, em todos os níveis de intervenção.
O que eu acho mais delicioso no nosso trabalho, exatamente por ser desafiante, é trazer a história e a identidade do cliente para o projeto - o meu projeto desenvolvido para ele, tem a cara dele. Não a minha. O resultado é sempre gratificante!

Uma idéia puxa a outra:
O cliente queria um home theater separado da sala, por isso a primeira idéia dele de integrar o 4º quarto à sala foi descartada logo de início. Também não queria que tivesse porta, mas sem um limitador seria impossível controlar a luz. Cinema é cinema. Escurinho, imagem e som perfeitos, pipoca e tudo o que tem direito. E o cara GOSTA de cinema, coleciona DVDs dos filmes prediletos, centenas de cds e objetos que ganha de presente ou que ele mesmo trouxe de viagens ou que encontrou nos baús da infância no interior. Portanto, este era o espaço mais importante da reforma do ponto de vista afetivo e sensorial. E acabou abrigando mais do que na primeira idéia: virou uma releitura pessoal dos cinemas antigos do interior que habitam a sua memória, com nome e tudo: CINE BIG BANG. E com direito a cortina de veludo cor de beringela, super atual, que dá aconchego e melhora a qualidade do som. Também resolveu o controle da luz, lembra? Sem ter que escurecer a sala, até porque mesmo com toda a abertura envidraçada para a varanda ela não recebe tanta luz natural assim...



A placa de madeira, um dia ele mesmo definiu como um "elefante branco"... Carregava uma história querida  mas ficou muito tempo guardada, desde que o sócio um dia perguntou se ele queria ficar com ela. Claro que quis! Grande, ele pensava que não tivesse o que fazer com aquilo, mas também não queria dar um fim que fosse menos nobre: além da sua memória, a peça é bonita!


 
A placa entalhada em madeira pelo amigo "Césinha" D'Abronzo, ficava na fachada bar que teve em Piracicaba: o Big Bang Jazz Bar.  Restaurada, deu novo uso a um objeto que carrega lembranças de um tempo bom



No lado oposto, junto com os equipamentos, ficaram expostos os dvds mais acessados. Um armário acondiciona o restante, organizando as coisas que costumam gerar bagunça neste tipo de ambiente. Uma porta de correr ainda será instalada sob a bancada para proteger os vinis da poeira (sim, ele tem bastante!). No projeto, a tv também vai para a parede e caixas de som ainda serão instaladas no forro de gesso, levando a música para a outra sala também. Calma, no tempo dele.
A prateleira expõe recuerdos de viagens, mimos de amigos e lembranças de infância, como o rádio antigo de madeira (que funciona!). Parte da "casa viva", vai sendo reorganizada à medida em que ele vai encontrando os objetos nas caixas que estavam guardadas.


Na montagem

terça-feira, 5 de abril de 2011

Telhado Verde

Os telhados verdes oferecem grandes benefícios ao espaço urbano, pois evitam a impermeabilização total da área do lote onde são implantadas as construções:
- Aumentam a retenção da água da chuva, auxiliando a drenagem urbana
- Atenuam a poluição pela redução da emissão de carbono e pela limpeza da água pluvial
- Garantem o conforto térmico e acústico dos ambientes internos
- Sobre laje, podem criar espaços extras de valor paisagístico para lazer e contemplação
Criar um espaço assim é sempre um desafio. Se não forem cuidadosamente projetados e executados, podem promover infiltrações ou mesmo dificuldade na manutenção da vegetação, seja por escolhas inadequadas das espécies ou da forma de plantio.
O ideal é que sejam pensados desde a fase de projeto para que sejam previstos a carga, os sistemas de drenagem e de impermeabilização e a escolha das espécies adequadas para cada caso.
Além de técnicas de produção de jardins sobre laje, existem sistemas leves desenvolvidos para serem instalados de forma mais prática e segura até para coberturas onde não há acesso, como telhados existentes ou coberturas já projetadas para este fim.
Achei interessante postar algumas imagens de idéias bacanas, todas utilizando o sistema modular desenvolvido pela Ecotelhado, que também tem outras soluções muito interessantes.
Fonte: http://www.ecotelhado.com.br/


Casa de Campo em Viamão - RS


Osório - RS


Condomínio de Predios - Construtora Esfera - São Paulo - SP


Parada de ônibus em Porto Alegre - RS


Casa Jaya

Hoje fui à Casa Jaya, em reunião com o Julio e o Renan, para dar início a estudos sobre a nova reforma de ampliação e melhorias. A casa tem belas idéias de sustentabilidade, coerente com o conceito de vida adotado por eles.


O espaço já é muito lindo, alto astral, sem falar no maravilhoso Buffet Vegano preparado pela Dona Dalva. Mesmo nessa segunda-feira chuvosa, foi delicioso!

terça-feira, 22 de março de 2011

Mostra Florense - 7ª Edição do Projeto Vitrine

De 24.02.2011 a 24.06.2011



Home Theater Puzzle Mtx Marrom.
"Faz de conta que a casa é sua!"
Ambiente projetado com objetivo de criar uma atmosfera aconchegante, sem aspecto de cenário. Antes, busquei reproduzir um ambiente comum onde cada um se sentisse "em casa". O ponto de partida foi o maravilhoso díptico do irmão e parceiro Chico Coelho. A mostra fica de 24/02 a 24/06/2011. Convido a todos os amigos e clientes a prestigiarem!











Parceiros:
Lustreco – Iluminação                                            (11) 3845-5463
Tecdec – Almofadas e tecidos                               (11) 3896-1622
VCA Atelier de Cerâmica – Objetos de cerâmica    (11) 2478-4348
Arte Infinita Galeria – quadros                                (11)3032-3151
Chico Coelho – Artista Plástico                              chico8coelho@gmail.com
Rebeca Kocubej – Florista                                     (11) 8133-2718
Neusa Soares – Paisagista – Arqué                       (11) 7543-7708

Tipologia Colonial - Domingos Martins - ES

Não sei exatamente quando foram construídas em Domingos Martins-ES, mas a ocupação do interior do estado se deu por meio do assentamento dos colonos imigrantes, principalmente alemães, italianos, suíços e açorianos, desde o início do século XIX e mais intensamente após a proibição do tráfico negreiro (1850).

Casa típica de colonos alemães, na estrada da Cachoeira do Galo
 
Casa típica de colonos alemães, na estrada da Cachoeira do Galo
 A estrutura é de madeira, elevada do terreno e o desenho é sempre igual: uma escadinha leva à varanda que percorre uma das laterais para onde se abrem as salas. A Cozinha fica em uma das extremidades, às vezes no nível do terreno, em desnível em relação ao restante da casa, e os quartos paralelos à sala. A cobertura em duas águas sempre abriga um sótão. Em algumas casas, a área abaixo da casa, às vezes chamada de "loja", serve de depósito de ferramentas de trabalho na propriedade.


Casa típica de colono envolvida pelo loteamento recente
  Aqui em Domingos Martins, onde predominou a colonização alemã, ainda existem casas construídas nesta época, a maior parte ainda na zona rural, mas algumas já foram engolidas pela expansão da cidade (imagem à direita). A maior parte das casas que eu vi são habitadas e ainda são sede da pequena propriedade, como se o tempo não tivesse passado naquele pedaço da terra.


terça-feira, 1 de março de 2011

Ascenty - Projeto Corporativo

Projeto de Interiores e gerenciamento de obra.
Em parceria com a arqtª Fernanda Yara.
Escritório de TI - Rua Haddock Lobo - São Paulo
Duração da obra: 40 dias.

Recepção
Sala de descompressão integrada à copa
Deptº Financeiro e Comercial

Inauguração do Blog da Arqué

Hoje inauguramos o blog da Arqué Arquitetura e Interiores.
Aqui você pode acompanhar dia a dia o resultado dos trabalhos do escritório e comentar assuntos relacionados à arquitetura, interiores, paisagismo e urbanismo.
Sejam bem vindos!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...